MEMÓRIA, CULTURA E PODER NA SOCIEDADE DO ESQUECIMENTO: O EXEMPLO DO CENTRO DE MEMÓRIA DA UNICAMP.

 

Olga Rodrigues de Moraes VON SIMSON
Faculdade de Educação e
Centro de Memória da UNICAMP

 

Memória é a capacidade humana de reter fatos e experiências do passado e retransmití-los às novas gerações através de diferentes suportes empíricos (voz, música, imagem, textos, etc.).

Existe uma memória individual que é aquela guardada por um indivíduo e se refere as suas próprias vivências e experiências, mas que contém também aspectos da memória do grupo social onde ele se formou, isto é, onde esse indivíduo foi socializado.

Há também aquilo que denominamos de memória coletiva que é aquela formada pelos fatos e aspectos julgados relevantes e que são guardados como memória oficial da sociedade mais ampla. Ela geralmente se expressa naquilo que chamamos de lugares da memória que são os monumentos, hinos oficiais, quadros e obras literárias e artísticas que expressam a versão consolidada de um passado coletivo de uma dada sociedade.

Como contrapartida, ou outro lado da moeda, existem as memórias subterrâneas ou marginais que correspondem a versões sobre o passado dos grupos dominados de uma dada sociedade. Estas memórias geralmente não estão monumentalizadas e nem gravadas em suportes concretos como textos, obras de arte e só se expressam quando conflitos sociais as evocam ou quando os pesquisadores que se utilizam do método biográfico ou da história oral criam as condições para que elas emerjam e possam então ser registradas, analisadas e passem então a fazer parte da memória coletiva de uma dada sociedade. Elas geralmente se encontram muito bem guardadas no âmago de famílias ou grupos sociais dominados nos quais são cuidadosamente passados de geração a geração.

Na sociedade ocidental atual, o rítmo acelerado do trabalho urbano somado a facilidade e rapidez dos meios de comunicação (criadas pelos constantes avanços tecnológicos) colocam o homem comum frente a uma quantidade avassaladora de informações. Tais fatos criam para o homem contemporâneo quase a obrigação de consumir a informação de forma acrítica, sem maior cuidado seletivo, perdendo-se portanto uma das mais importantes funções da memória humana – a capacidade seletiva – que é o PODER de escolher aquilo que deve ser preservado, como lembrança importante e aqueles fatos e vivências que podem e devem ser descartados. A perda do exercício desse poder de seleção nas sociedades atuais constitui o fator fundamental para a formação do que os profissionais da informação chamam de sociedades do esquecimento(1).

É verdade, nós não nos lembramos de tudo o que aconteceu ou que nos foi ensinado ao longo de nossa vida. Descartamos a maioria das experiências vivenciadas e só retemos aquelas que possuem significado, isto é, são funcionais para nossa existência futura. Yuri Lotman (2), um semiólogo falecido na segunda metade dos anos 90 que viveu atrás da Cortina de Ferro (tendo porisso suas obras pouco conhecidas entre nós), já dizia que cultura é memória, pois é a cultura de uma sociedade que fornece os filtros através dos quais os indivíduos que nela vivem possam exercer o seu poder de seleção realizando as escolhas que determinam aquilo que será descartado e aquilo que precisa ser guardado ou retido pela memória porque, sendo operacional, poderá servir como experiência válida ou informação importante para decisões futuras.

Nas sociedades da memória, que existiram no passado e ainda subsistem em locais isolados da África e da América do Sul, por exemplo e nas quais o volume de informação é consideravelmente muito mais restrito, a memória é organizada e retida pelo conjunto de seus membros, os quais se incumbem de transmiti-la às novas gerações cabendo aos mais velhos, devido a sua maior experiência e vivência, o importante papel social de guardiões da memória devido a sua maior experiência e vivência. Cabe a eles a função de transmitir às novas gerações de seu grupo social os fatos e vivências que foram retidos como fundamentais para a sobrevivência do grupo.

Esse papel social dos idosos foi sendo gradativamente perdido ao longo da história das sociedades ocidentais, mas muito mais intensamente, na contemporaneidade, quando cada vez mais se diversificam e se sofisticam os suportes para o registro e suporte da memória (esxcrita, imprensa, fotografia, vídeo, discos, CDs, DVDs, disquetes, etc.).e o enorme volume de informações fez surgir instituições especialmente voltadas ao trabalho de seleção, coleta, organização, guarda e manutenção adequada e divulgação da memória de grupos sociais ou da sociedade em geral, nessas novas sociedades do esquecimento.

Essas instituições realizam, portanto, hoje, de forma profissional, uma tarefa social anteriormente exercida pelos idosos. São elas os museus, arquivos, bibliotecas e centros de memória, que de alguma forma e segundo critérios previamente estabelecidos realizam o trabalho de coletar, tratar, recuperar, organizar e colocar à disposição da sociedade a memória de uma região específica ou de um grupo social retida em suportes materiais diversos.

Eixos definidos de pesquisa devem orientar esse trabalho para que ele possa ser bem realizado e sua fixação em suportes tecnicamente escolhidos. Os eixos que orientam o trabalho variam de instituição para instituição e representam o âmago do exercício de poder pois corresponderem aos objetivos do grupo que a criou e dirige.

Hoje, nessa virada de século que vivenciamos, acompanhando um movimento geral da sociedade ocidental, tem se explicitado uma forte necessidade de lembrar. Quando a outra face da moeda dos processos de mundialização. Quando se vive de maneira tão acelerada a ponto de sermos impedidos até de "sentir o tempo passar", como se diz popularmente projetos envolvendo a memória possibilitam aos participantes dos mesmos, habitar esse tempo e vivê-lo plenamente, numa relação que pode ser criativa e transformadora. Nesses projetos os idosos certamente tem novamente um papel social definido e importante .

Ecléa Bosi em "Memória e Sociedade, lembrança de velhos" (3), obra precursora no Brasil dos trabalhos científicos que incorporam como fonte de dados para a pesquisa o ato de lembrar, já observava que a memória não é sonho, mas trabalho. Podemos acrescentar que o ato de relembrar em conjunto, isto é, o ato de compartilhar a memória, é um trabalho que constrói sólidas pontes de relacionamento entre os indivíduos - porque alicerçadas numa bagagem cultural comum - e, talvez porisso, conduza a ação. Portanto, a memória compartilhada é tanto forma de domar o tempo, vivendo-o plenamente, como empuxo que nos leva a ação, constituindo uma estratégia muito valiosa nestes tempos em que tudo é transformado em mercadoria, tudo possui valor de troca. Essa memória compartilhada, enquanto desejo latente do homem pós-moderno, que entretanto se realiza numa relação não inserida na lógica de mercado, nos leva a construir redes de relacionamentos nas quais é possível focalizar em conjunto aspectos do passado, envolvendo participantes de diferentes gerações de um mesmo grupo social. Nesse processo utilizam os "óculos do presente", para reconstruir vivências e experiências pretéritas o que nos propicia pensar em bases mais sólidas e realistas nossas futuras ações.

Assim podemos perceber que o trabalho com a memória (no qual os velhos tem papel fundamental) não nos aprisiona no passado, mas nos conduz com muito maior segurança para o enfrentamento dos problemas atuais. Ao permitir a reconstrução de aspectos desse passado recente, o trabalho com a memória também possibilita uma transformação da consciência das pessoas nele envolvidas direta ou indiretamente no que concerne à própria documentação histórica, (ampliando essa noção que abarca agora os mais diversos suportes: textos, objetos, imagens fotográficas, músicas, lugares, sabores, cheiros) compreendendo seu valor na vida local, maneiras de recuperá-la e conservá-la. Esse mergulhar conjunto e compartilhado no passado nos faz emergir mais conscientes quanto aos problemas contemporâneos da vida da comunidade estudada e geralmente nos conduz naturalmente a ações conjuntas e politicamente conscientes visando sua superação.

Mas os estudos sobre a memória, trazem também uma outra exigência. À semelhança da área da Gerontologia, eles exigem uma abordagem multidisciplinar. Para entendê-la o seu funcionamento é preciso valer-se de subsídios de várias disciplinas realizando uma integração de conceitos elaborados em diferentes áreas do conhecimento.

Assim, como vimos, a memória pode ser, ao mesmo tempo, subjetiva ou individual (porque se refere a experiências únicas vivenciadas ao nível do indivíduo) mas também social porque é coletiva (pois se baseia na cultura de um agrupamento social e em códigos que são aprendidos nos processos de socialização que se dão no âmago da sociedade. Só a Sociologia nos permite desvendar esses aspectos da memória.

Sabemos também que ela nunca se apresenta de maneira ordenada ou cronológica, pois funciona através de associações livres entre as vivências e fatos do passado. Necessitamos da Psicologia para compreender esse funcionamento da memória.

O processo de registro dos fatos vivenciados e selecionados como importantes ainda é pouco conhecido, sendo objeto de sérias investigações. Sabemos que ele se baseia nas sinapses (ligações eletro-químicas) que conectam o vivido experienciado pelos sentidos com a área cerebral onde se dará o registro. Só as ciências biológicas nos ajudam a compreender esse aspecto.

Vimos também que antes que o registro se processe um importantissimo filtro seletivo atuará separando o que deve se retido daquilo que será descartado, filtro esse fornecido pelo cultura de uma dada sociedade.

São signos da cultura, desvendados pela semiótica que nos permitem uma primeira penetração em tal processo que encerra certamente em forte sentido de poder .

Para entender como cultura é memória e memória pela cultura permite exercer um poder que transcende tanto da política como da filosofia, fechando assim a necessária multidisciplinaridade exigida pelo objeto.

As instituição-memória, realizam a produção racional e organizada de uma memória perdida, ao invés de se constituírem como depositários de uma memória vivida, a qual só pode existir nos grupos sociais que apresentam intensa vivência coletiva e forte identidade cultural.

Para compensar esse caráter racional e organizado que o trabalho com a memória das instituições-memória precisa necessariamente apresentar, caráter esse que as impediria de captar a riqueza cultural dos fatos sociais, pois trabalha-se com objetos que os representam, torna-se indispensável não nos voltarmos para simples vestígios ou documentos isolados, mas elaborarmos conjuntos documentais que nos permitam captar a intencionalidade e o simbolismo do corpo social ao registrar seu passado.

Só dessa forma se pode contribuir para a construção da identidade de um corpo social, pois é fornecendo a ele conjuntos documentais racional e tecnicamente tratados e realizando uma boa divulgação desse material que tais instituições poderão bem realizar seu papel de guardiãs da memória.

Hoje, pela utilização do método biográfico na construção destes ricos conjuntos documentais são muitas as versões captadas, a partir de diferentes atores sociais, o que nos permite relativizar posições, compreender o contexto político cultural do período e nuançar com vários tons de cinza um passado que não pode ser reconstruído somente em tons de branco e de negro.

O Centro de Memória é uma instiutição-memória que realiza um trabalho ligado a história social de Campinas e região, ou seja, a região que se desenvolveu no Estado de São Paulo a partir da importância e relevância desta cidade como grande polo econômico, social e cultural surgido no século XIX, a partir do sucesso da cultura cafeeira. O trabalho do Centro de Memória envolve vários setores do conhecimento, como antropologia, sociologia, história, geografia, arquitetura educação e cultura. O trabalho de pensar os objetivos e as metodologias de pesquisa fica por conta de um grupo de professores e pesquisadores oriundos de todas essas disciplinas que se reúnem em seminários para trocar experiências, informações e bibliografia. Esse trabalho é complementado também por uma coleta, tratamento e organização de documentos históricos e da história oral levada a efeito através de técnicos e auxiliares de pesquisa envolvidos nos projetos.

Um exemplo da importância do Centro de Memória para a reconstrução da história da sociedade campineira é o do bairro de origem teuto-brasileira de Friburgo, situado no extremo sul do município e que existe desde 1871. Em meio a uma reforma da escola, foi encontrado um armário, infestado por cupins, que continha livro manuscritos em alemão gótico. O Centro de Memória foi contatado pelos dirigentes da Associação Escolar e descobriu que se tratava de documentação histórico-cultural muito valiosa. A partir da análise desses documentos, da captação da história oral, ou seja, das histórias de vida dos moradores mais antigos, e da análise de um conjunto de fotografias antigas, fornecidas pelos entrevistados, foi possível reconstruir a memória de um grupo que poucos habitantes de Campinas conheciam, mas que constitue o último resquício da imigração alemã do século XIX para a região(4). Agora os moradores do bairro sabem sua origem, valorizam o passado e contam sua história baseados na trabalho que o Centro de Memória realizou e possuem uma identidade definida que se expressa na criação de grupos folclóricos alemães e na realização de festas típicas reunindo a comunidade friburguense.

Para a realização deste trabalho, o Centro de Memória conta com equipamentos de alta tecnologia que permitem a recuperação de documentos históricos antigos danificados. Computadores, microscópios, prensas e câmaras com temperatura e umidade controladas fazem parte dos recursos que ajudam a contar a história de Campinas e região. Toda essa infra-estrutura foi conseguida através do apoio de instituições de financiamento de pesquisa como a FAPESP e o CNPq. Os profissionais técnicos do Centro de Memória são normalmente especialistas em suas áreas, formados pela instituição. Eles trabalham com tratamento e recuperação de imagens, de documentação histórica dos séculos XVII, XVIII e XIX e, fazem trabalhos de paleografia (leitura dos documentos antigos), e de recuperação da memória oral e imagética da população local.

Com apoio da sociedade, dos pesquisadores, dos parceiros e das instituições de pesquisa, o Centro de Memória da Unicamp vem desvendando as tramas da história da cidade e região através de um trabalho sério baseado na metodologia científica e no compromisso de fazer com que a população, seja ela de origem local ou migrante, crie ou restabeleça laços de pertencimento com a cidade e se constitua numa sociedade composta por cidadãos cada vez mais politicamente conscientes e participativos.